19/02/2024 às 16h31min - Atualizada em 20/02/2024 às 00h00min

Especialista explica a diferença entre lipedema e celulite

Aproximadamente uma em cada dez mulheres em todo o mundo deve sofrer com lipedema

Prezz Comunicação
Divulgação/Canva

Entender as diferenças entre o lipedema e a celulite muitas vezes pode ser um desafio. Embora distintos, os sintomas físicos manifestados no corpo muitas vezes se confundem, destacando a importância de um diagnóstico preciso para orientar os caminhos para tratamentos adequados.

No Brasil, cerca de 5 milhões de pessoas convivem com o lipedema e não sabem, segundo levantamento da Universidade Paulista (USP). Já a celulite está presente no dia a dia de 95% da população feminina do mundo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde.

O lipedema, condição crônica do tecido conjuntivo, afeta principalmente as partes inferiores do corpo feminino, poupando tronco, mãos e pés. Relacionado a fatores genéticos e hormonais, sua origem está ligada a mudanças corporais durante puberdade, gestação, menopausa e estresse. Por sua vez, a celulite, conhecida como lipodistrofia ginóide, caracteriza-se por depósitos de gordura sob a pele e é associada à hereditariedade, problemas circulatórios, alterações hormonais e estilo de vida, a celulite não é uma doença, mas representa preocupação estética para muitas mulheres.

O principal sintoma distintivo entre o lipedema e a celulite é as regiões do corpo afetadas, e a presença de dor. A Dra. Cristienne Souza, médica cirurgiã vascular da Venous, destaca: “Geralmente, o lipedema afeta as pernas e os quadris, criando uma desproporção entre as extremidades inferiores em relação ao resto do corpo. Além disso, as portadoras de lipedema são propensas a desenvolver hematomas com facilidade, e cerca de 50% das mulheres apresentam dor e sensibilidade no tecido afetado. Já a celulite pode ocorrer em qualquer área do corpo, sendo indolor.” Além disso, junto ao lipedema pode ser notada a hipermobilidade articular e redução da elasticidade da pele.

Quanto aos tratamentos, o principal objetivo é aliviar sintomas e melhorar a qualidade de vida, sendo que o início precoce do tratamento para lipedema proporciona melhores resultados. “As medidas gerais incluem redução da gordura e perda de peso, exercícios físicos e fortalecimento muscular, orientação nutricional e dieta anti-inflamatória. Pode ainda ser necessário terapias compressivas e drenagem linfática, se evidenciado acometimento linfático simultâneo”, orienta.

Para a celulite, as opções de tratamento incluem procedimentos estéticos, como terapia de radiofrequência, laser e tecnologias de ondas eletromagnéticas focadas. “É preciso ressaltar que nenhum tratamento para celulite funciona sem alterações nos hábitos alimentares e no modo de vida. Reduzir o consumo de álcool, açúcar e gordura, manter uma boa hidratação e praticar exercícios físicos que ajudam na redução da gordura corporal e auxiliam para a firmeza para a pele são essenciais, 

Um diagnóstico preciso é crucial para orientar o tratamento adequado. “O lipedema pode ser subdiagnosticado ou confundido com obesidade, sendo que a dor concomitante e a incapacidade de perder peso pelas medidas usuais podem aumentar a incidência de depressão, ansiedade e transtornos alimentares. Por isso é tão importante fazer o correto diagnóstico e orientação dessas mulheres”, finaliza Cristienne. A abordagem terapêutica adequada depende da identificação correta da condição, proporcionando melhores resultados e qualidade de vida para o paciente.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://cariocanews.com.br/.