05/12/2023 às 19h53min - Atualizada em 06/12/2023 às 00h00min

A Geração Z pode reclamar, mas precisamos de mais nudez na TV – caso contrário, a violência se tornará mais normal do que o sexo

Mesmo nomes bem estabelecidos em Hollywood relutam em filmar cenas quentes

Francisco Marcio Ferreira Pompeu
Comentário de Ulrika Johnson para o Jornal The Sun.
públioo
Há muita coisa no mundo moderno que nos desanima – e agora parece que há ainda menos que nos excitam.

Aparentemente, vemos cada vez menos cenas de sexo no cinema e na TV.

É isso mesmo – o sexo na tela está diminuindo, diminuindo e diminuindo. Ficou um pouco flácido.

Quero dizer, quem pode esquecer a farsa teatral No Sex Please, We’re British de 50 anos atrás, que manteve viva a narrativa de que os britânicos eram puritanos?

Mas agora parece que são os jovens que se opõem a isso.

Um estudo recente da universidade norte-americana UCLA entrevistou 1.500 pessoas com idades até aos 24 anos e, surpreendentemente, elas afirmaram que querem ver menos sexo nas telonas.

Em vez disso, o que procuram são mais histórias de relacionamentos platônicos. Esse grupo nem quer romance!

Eles sentem que não estão sendo retratados e refletidos com precisão na tela grande, pobres cordeiros.

E lá estava a comentarista, pensando que eles estavam sexualmente liberados e vivendo suas melhores vidas.

Boa e velha Geração Z! Confie que eles vão querer tirar toda a diversão de uma noite no cinema.

Quase metade deles disse que o romance é usado em demasia pela mídia, e o mesmo número acredita que o sexo não é necessário para a trama. (Diga isso aos criadores de Cinquenta Tons . . . )

Claro, ouço o que eles estão dizendo.

Quantas vezes você assistiu a um filme ou drama de TV e o diretor decidiu incluir algumas cenas de sexo gratuitas só por diversão?

Cru e instintivo
Alguns são simplesmente horríveis e estão lá apenas para nos manter excitados o suficiente para persistir no enredo.

Esse tipo de bobagem também desanima boa parte das pessoas.

Mas ela é - como você já deve saber - uma defensora da nudez e definitivamente quer uma maior abertura em relação ao sexo.

E sejamos realistas, se não o vermos, se não o normalizarmos, ficaremos confinados à sala de edição e correremos o risco de esquecer que todos temos corpos.

Quem sabe podemos até parar de pensar em intimidade por completo.

Não são apenas os jovens que estão começando a colocar os pés no chão e a virar as costas para coisas nudie-rudie na tela.

A lista de estrelas de Hollywood que não estão mais preparadas – e às vezes nunca estiveram – para aparecer nuas ou filmar cenas de sexo parece estar crescendo.

Julia Roberts diz que não vê nenhum valor artístico em ficar nua diante das câmeras, alegando que atuar vestida é uma performance, mas atuar sem roupa é um documentário.

Uma analogia um pouco extrema, mas, fiel à sua palavra, ela tinha um dublê em Uma Linda Mulher.

Chris Pratt, que, só para constar, já foi stripper, agora diz que depois de encontrar a religião mudou de atitude e não fará mais cenas de nudez ou sexo.

Eu acho que você não pode discutir com Deus.

A atriz norte-americana Anna Kendrick não tem nada contra cenas de sexo, mas não faz nudez e Sarah Jessica Parker foi, aparentemente, a única integrante do elenco de Sex And The City a se recusar a se despir.

Respeito os seus princípios sem excepção, especialmente porque todos sabemos agora que houve um tempo em que os atores nem sempre tinham o direito ou a escolha pessoal de como queriam que os seus corpos fossem representados no cinema.

Desde que estourou o escândalo #MeToo, ouvimos histórias horríveis de artistas – predominantemente mulheres – que foram forçados ou pressionados a participar em cenas que iam contra o seu julgamento moral ou artístico, tudo porque temiam perder os seus empregos ou simplesmente cairem na lista negra.

Não há como negar que muitos abusos e coerções passaram despercebidos.

Portanto, para esse fim, o fato de os artistas sentirem agora que têm o direito e a força de voz para se oporem ao uso indevido dos seus corpos quando se sentem vulneráveis é definitivamente um passo na direção certa.

E, claro, hoje em dia existem coordenadores de intimidade no set que coreografam cenas de sexo inteiras e ajudam a acalmar os nervos e a proteger a dignidade, o que só pode ser bom.

Mas tudo isso parece um pouco premeditado e orquestrado para o meu gosto.

​Entre as muitas cenas de sexo estranhas do filme Boa Sorte para Você, de Leo Grande, há uma brilhante onde, aos 63 anos, Emma Thompson fica nua na frente de um espelho.

Foi um momento crucial no cinema porque não era pornográfico ou erótico – era normal, natural e bonito.

O que não dá para entender é a crescente objeção das pessoas às cenas de sexo, enquanto elas ficam muito felizes em assistir a filmes saturados de violência.

Algumas pessoas ficam muito felizes por seus filhos e adolescentes verem pessoas tendo suas cabeças estouradas, mas um vislumbre de meia é visto como algo chocante.

Aceitaremos mais prontamente armas, tiroteios, facas e explosões do que duas pessoas desfrutando de um pouco de brincadeira.

Isso não pode estar certo. O sexo é uma parte natural da vida – ou certamente deveria ser.

Não há nada de pervertido em curtir cenas de sexo e, correndo o risco de ser criticado por toda a Geração Z, gostaria que houvesse mais sexo incrível na tela.

Não precisa ser provocativo, revelador ou explícito. Trabalhos sutis e discretos também.

É verdade que não deveríamos fazer sexo apenas pelo sexo - mas, por favor, podemos fazer sexo e nudez para o nosso bem?



 


Este conteúdo foi distribuído pela plataforma SALA DA NOTÍCIA e elaborado/criado pelo Assessor(a):
U | U
U


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://cariocanews.com.br/.