12/12/2023 às 18h42min - Atualizada em 13/12/2023 às 00h00min

Substantivo Feminino discute o combate ao discurso de ódio e empoderamento feminino, com Ana Fontes, Luciana Barreto e Assucena

“80% dos discursos de ódio nas redes sociais são contra mulheres negras”, traz Luciana Barreto

Mariana Marques
www.casecomunica.com.br
Divulgação/Videocast Substantivo Feminino
 

Ana Fontes analisa que o discurso de ódio com foco em mulheres também está atrelado à questão do racismo. Quem dá origem a essas violências acredita “que você está em um espaço que não deveria estar”. A empreendedora social é mediadora do videocast “Substantivo Feminino” e recebe, em seu terceiro episódio, Assucena, compositora e cantora; e Luciana Barreto, jornalista, apresentadora, mestre em Relações Étnico-raciais e autora do livro ”Discurso de ódio contra negros nas redes sociais”.

Luciana Barreto, especialista no assunto, começa o episódio explicando um pouco de como funciona o discurso de ódio e o hater no Brasil, em sua fala relata como iniciou os estudos no assunto e dados alarmantes como “80% dos discursos de ódio nas redes sociais são contra mulheres negras”.

“Só para você entender como funciona a lógica racial no Brasil o hater quer dizer que você não pode estar em determinado espaço, é isso o que mais incomoda. Ele foca em mulheres negras, por exemplo, se elas se colocam como ícone de beleza... ali ela sofre discurso de ódio”, explica a especialista.

Discutir as pautas que cercam o combate aos variados tipos de violência contra a mulher é o objetivo do videocast “Substantivo Feminino”, que têm iniciativa do YouTube Brasil em parceria com a Rede Mulher Empreendedora, Gênero Número, Internet Lab e Casé Fala, e com produção Dia Estúdio. O episódio “Combate ao Discurso de Ódio e empoderamento feminino” vai ao ar na terça-feira no canal do YouTube da RME, dia 12, às 12h.

Para a cantora e compositora, Assucena, a iniciativa e a educação são fundamentais, é preciso encontrar as pessoas que passam pelas mesmas dores que você e se unir a elas. “A educação tem um papel primordial porque você tem consciência política dos seus direitos e ela é muito importante até para auto-organização, porque se a gente não se auto-organiza enquanto sociedade, a gente não cobra os nossos acessos e lugares que são nossos por direito”, afirma.

Os demais episódios de “Substantivo Feminino” irão ao ar no mesmo canal, no decorrer das próximas semanas, e trabalharão temas como “Mulheres e seu espaço na Política"; contando com as participações de convidadas como Tauá Lourenço Pires, Olívia Santana e a ministra das Mulheres, Cida Gonçalves.


Este conteúdo foi distribuído pela plataforma SALA DA NOTÍCIA e elaborado/criado pelo Assessor(a):
U | U
U


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://cariocanews.com.br/.